Quando um Paciente Morre

Como Terapeutas Ocupacionais, e qualquer outro profissional da área da saúde, aprendemos durante a nossa formação que o vínculo criado com o paciente deve ser um vínculo estritamente profissional. Um vínculo TERAPÊUTICO.

No entanto, alguns pacientes permanecem em tratamento durante anos. Entra atividade, sai atividade, e cada vez mais vamos conhecendo as histórias de vida, as dificuldades, as conquistas, as relações, os sentimentos.

Mas sempre chega a hora de dizer adeus.

Quando a despedida ocorre por melhora clínica e o paciente recebe alta, é uma despedida feliz. Uma missão cumprida.

Mas e quando a despedida ocorre porque o nosso paciente foi a óbito?

Acabo de passar por uma perda recentemente, e quando fui procurar por textos sobre o assunto, me surpreendi: não encontrei NADA. Então decidi escrever esta postagem, direcionada a todos que já passaram por isso. E, claro, também aos que não passaram, pois passarão.

Eu trabalho com atendimento domiciliar. O que significa que os pacientes me abrem as portas da sua casa, me permitem uma convivência frequente com seus familiares e seu ambiente. Fazemos parte da rotina um do outro. Cada paciente é de um jeito, cada família é de um jeito, cada casa funciona de uma maneira. E, com o passar do tempo, vamos criando um laço inevitável: a afeição. Passar a visita ao paciente torna-se muito além de um trabalho – torna-se um prazer. E, de repente, a Vida nos tira esse prazer. Para nós, é uma perda tão importante quanto para as outras pessoas.

Segue texto que escrevi em homenagem à Sra. Itália, uma paciente muito querida que se foi neste dia 07/02/2015.

20150208_122242-1

“A Blusa Inacabada

Nós tricotamos juntas durante muitas tardes.
Suas mãos já experientes, com muitas histórias para tecer nas linhas. As minhas mais lentas, mais verdes, mãos de quem tem muito o que aprender.
Algumas tardes, tricotamos saudades. Uma pátria que ficou para trás. Um marido que se foi cedo demais. O grupo da terceira idade que costumava frequentar.
Tivemos tardes para tricotar azedumes. Remédios que davam reações. Dentadura desconfortável. Dor lombar.
Tricotamos amor. Um casamento feliz. Filhos, netos, bisnetos.
Na nossa blusa tricotada, tecemos momentos compartilhados de alegria. Cafés no fim da tarde. Bolo. Pão. Limonada feita com os limões do quintal. Risadas…
Um ponto, dois pontos, três pontos. Uma receita de macarrão. Laçada. O macarrão que eu tento moldar sai grosso demais. Uma carreira terminando com dois pontos juntos. Agora é só cozinhar e comer.
Finalizo as costas da blusa, inicio a frente.
– Quantos pontos, D. Itália?
– Setenta. Melhor setenta.
Estou quase na metade.
Mas temos um problema: a Senhora se foi, e eu fiquei. Fiquei aqui, com a blusa inacabada, carregada de histórias em cada ponto, lembranças em cada laçada, vivências em cada carreira.
A blusa inacabada está na sacola. E, como todos que ficaram, terei que continuar por conta própria agora.
Foi uma honra tricotar com a Senhora, D. Itália!”

E vocês, T.O.s? Que tal compartilharem suas experiências de luto?

Obrigada pela visita, e até a próxima!

Anúncios

16 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Liliana
    fev 08, 2015 @ 20:16:51

    Quanto sentimento nesse texto!! Lindo ver que nossa profissão é humana e dedicada e que temos uma representante à altura como vc!!
    Bjo

    Responder

  2. luciana
    fev 08, 2015 @ 21:26:05

    Amei seu texto. Passei por isso quando fazia estagio num hospital da minha cidade. No quarto ano da faculdade e até hoje…passado alguns anos; não esqueço da sensação de me sentir tão pequena diante do imprevisivel… E a vida segue!

    Responder

  3. Marcia Monteiro Garcia -Marcia Garcia
    fev 09, 2015 @ 00:35:22

    Lindo texto! Poesia pura! Afeto! Terapia Ocupacional! Parabéns!

    Responder

  4. ongimenezondina
    fev 09, 2015 @ 12:41:22

    Falar dos sentimentos da Dra Melina ; Esteve ao meu lado e de minha mãe por longo tempo, trocamos confidencias, choramos juntas e sorrimos mto tmbém, claro que seria mto normal um texto como esse vindo dessa profissional : competente, carinhosa, dedicada e acima de todo o profissionalismo; humana.Melina o lidar com a ” Morte ” é difícil demais, mto bom saber que com todo s/ conhecimento e a sua notável humildade; as pessoas se vão + deixam mtas histórias em s/ lembrança, com certeza jovem como é, outras D. Itália irão e sempre te deixarão saudades e + histórias contadas entre um crochê, tricô, pinturas e bijuterias. Vc é mto Especial na vida de mtos Pacientes , terá sempre o meu respeito e de minha Mãe. Parabéns p/ texto e principalmente vindo do coração; jamais encontraria algo pronto semelhante !

    Responder

  5. Marcela Panossian
    fev 09, 2015 @ 13:25:03

    Melina, sou nutricionista, também sei como é esse luto, passei algumas vezes por isso. Palavras lindas, muito sentimento, me emocionei com suas palavras.

    Responder

  6. Wania Araujo Mendes
    fev 09, 2015 @ 14:01:58

    Não sou Terapeuta Ocupacional, mas trabalhei durante anos com famílias que recebia os terapeutas em suas casas em suas vidas. Acreditava que tudo que aprendi na faculdade (pedagogia/serviço social) seria fácil de utilizar na pratica. Quando em uma manha o telefone toca e a noticia e dada. Poxa como eu não estava preparada para perder o meu primeiro aluno/paciente naquele momento com 8 anos, te recebi com 08 dias. Eu acompanhei tudo de você, seu primeiro dente, seus primeiros passos, suas primeiras palavras, suas internações, suas altas, Sabe descobri que a nossa profissão nos dá algo maior a felicidade de não achar que tudo e normal.Entre ela a morte
    Obrigada a família e a você pequeno Helio Otávio.
    Pois mostrou o quanto a vida e importante para todos os profissionais da saúde.
    Lindo texto Mellina

    Responder

  7. Vivianne Moraes
    fev 09, 2015 @ 22:30:00

    Parabéns pelo lindo texto…..expressa a mais pura realidade!!!!Também trabalho com atendimento domiciliar….e sei bem o que é passar por isso!!!!!!

    Responder

  8. Idalina Pereira Santos
    fev 10, 2015 @ 02:02:52

    Que texto lindo! Além de TO, você deveria se enveredar pelo mundo das Letras.

    Responder

  9. Elaine
    fev 10, 2015 @ 22:06:18

    Que emocionante o texto… Amei!!!

    Responder

  10. Cristiane Ghedini
    fev 11, 2015 @ 22:21:12

    Lindo texto, repleto de palavras sinceras…
    Por mais que saibamos que podemos passar por isso a qualquer momento, nunca estamos prontos.
    Como é difícil perder um paciente. Sempre que passei por isso aprendi a lutar a cada dia mais pelos outros que estão ao meu redor…

    Responder

  11. Gustavo Henrique Costa
    fev 13, 2015 @ 15:22:36

    AMEI MEL!!!
    Arrepiei em várias partes! *–*

    Responder

  12. Lara
    abr 24, 2015 @ 19:20:22

    Esse texto fala tudo!! Infelizmente a morte é muito difícil de encarar. Sou fisioterapeuta e tb atendo em domicilio. É muito triste mas os momentos juntos são eternizados como lição de vida.

    Responder

  13. roseli schosser
    out 17, 2016 @ 15:07:33

    Melina, texto lindo. E sentimos sua falta mesmo quando você deixa de atender por outros fatores maiores que a vida apresenta. Sua dedicação ainda não encontramos em outra TO, Quando quiser voltar aos cuidados do Francisco será sempre bem vinda. Bjs

    Responder

    • Reabilitando com Terapia Ocupacional
      out 31, 2016 @ 20:48:33

      Roseli, que fofa!
      Estou morrendo de saudades do Francisco, sempre lembro dele e estou adorando acompanhar o desenvolvimento pelas fotos do Facebook. Não acredito que ainda não encontrou outra TO! Por que não me falou antes? Vamos encontrar!
      E vamos marcar um dia para eu visitá-los, também. E a ONG dos Guerreiros?
      Muito obrigada pela acolhida que sempre tive na sua família. Vocês tem toda a minha admiração e carinho. Beijos, beijos!

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: