Adequação Ambiental: Prevenindo Quedas

Casa

A Terapia Ocupacional tem como alvo principal a disfunção ocupacional, podendo ser de ordem física, social ou cognitiva. Para avaliar as dificuldades de um paciente na realização de suas atividades rotineiras, é necessário considerar o contexto no qual este paciente está inserido, incluindo os de ordem cultural, física, social, pessoal, espiritual e temporal.

O contexto físico refere-se à descrição das características físicas e materiais do espaço em que o indivíduo se encontra ao desempenhar a ocupação, incluindo mobiliário, terreno, piso, presença de plantas ou animais, entre outros. O ambiente deve ser adequado e seguro, levando em consideração a descrição da rotina diária do paciente para identificar as situações de risco que podem ser alteradas.

A avaliação do contexto físico deve ser enfatizada junto à avaliação de desempenho em Atividades de Vida Diária, objetivando promover as alterações e adaptações necessárias nos componentes que estiverem inadequados à segurança, tais como: chão escorregadio, presença de degraus, tapetes e carpetes frouxos, desordem no ambiente, acúmulo de móveis e objetos, cadeiras sem altura adequada, iluminação insuficiente, brilho intenso de assoalhos, ausência de barras de apoio, assento sanitário muito baixo, ausência de assento para banho, uso de sapatos inadequados, andador ou bengala inapropriados, entre outros.

A avaliação ambiental é administrada em dois passos: avaliação dos componentes pessoais (nível de função do paciente no ambiente e ações específicas) e avaliação dos componentes ambientais (ambiente físico, objetos, presença de barreiras arquitetônicas, etc).

E como podemos adaptar um ambiente para que este se torne um lugar seguro para os nossos pacientes? Aqui vão algumas dicas:

1 - Parte Externa

1 – A porta da frente deve oferecer um vão igual ou maior do que 80cm livre, o que permite maior mobilidade e, inclusive, a passagem de cadeiras de rodas;

2 – As maçanetas devem ser do tipo alavancas, facilitando a sua abertura.;

3 – O exterior deve ser bem iluminado para facilitar a visão;

4 – As janelas devem ter aberturas de correr, ou de portas que abrem para dentro de casa.

2 - Quarto

1 – A altura da cama deve ser entre 45 e 50cm, permitindo que o paciente apoie os pés no chão antes de levantar-se;

2 – A mesa de cabeceira deve ter cerca de 10cm acima da cama, se possível fixada no chão ou parede para evitar deslocamentos. Outra dica é que todos os móveis tenham as pontas arredondadas;

3 – Armários devem ter portas leves, cabideiros baixos e puxadores do tipo alça.

4 – Cadeiras e poltronas ajudam o paciente em tarefas como calçar meias e sapatos, evitando o desequilíbrio;

5 – Em caso de cama hospitalar, deve-se manter as grades elevadas e com as travas de segurança;

6 – Manter o eixo baixo;

7 – Manter as rodas com travas de segurança.

3 - Banheiro

1 – Lavatório com altura próxima a 80cm;

2 – Vaso sanitário com altura próxima a 45cm e descarga a 1m, com barras de apoio laterais para auxiliar o paciente a se sentar e levantar;

3 – Certificar-se sempre do ajuste do fluxo e temperatura da água;

4 – Registros e maçanetas de alavancas;

5 – Banco com encosto e braços, com barras de segurança próximas;

6 – Piso ou proteção anti-derrapante.

4 - Sala de Estar e Jantar

1 – Cadeiras e poltronas com altura média de 50cm, contendo braços e encostos;

2 – Mesas de apoio fixas e com telefone, com bordas arredondadas;

3 – Tapetes antiderrapantes ou colados com fita adesiva;

4 – Estantes fixas ao chão ou parede;

5 – Mesa com altura média de 75cm, com bordas arredondadas.

5 - Cozinha

1 – Armários mais altos contendo objetos mais leves e pouco utilizados do que os armários mais baixos;

2 – Altura das prateleiras da geladeira permitindo acesso sem levantar muito os braços ou abaixar muito;

3 – Altura média da pia em torno de 90cm, torneira com comando de alavanca;

4 – Fogão contendo controles que fecham o gás automaticamente quando a chama se apaga.

E, sempre importante: em casas com escadas, estas devem ter iluminação no início e no fim, corrimão dos dois lados e fita antiderrapante em cada degrau!

É isso aí pessoal, obrigada pela visita, relevem os desenhos terríveis, e até a próxima!

Anúncios

4 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Carolina
    jul 13, 2014 @ 21:51:05

    Item 5 no quarto: se o paciente tiver problemas cognitivos, nunca instale grade ao longo da cama toda, ou ofereça supervisao 24h. Isso eh contençao! O risco de queda e de traumatismo mais grave eh muuuuito maior qd se faz uma contençao! Vc coloca em risco a vida do paciente, pois se ele quiser levantar e sair da cama, ele vai tentar passar por cima da grade ou entre elas…

    Responder

  2. Tais
    set 04, 2014 @ 18:29:45

    Gostaria de saber se voce tem algo relacionado a iluminação

    Responder

  3. Tais
    set 04, 2014 @ 18:51:39

    e tambem sobre espaço entre os moveis para permitir uma boa mobilidade dos idosos, por exemplo.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: